Você está aqui
Home > Relacionamento > Como ficam os filhos com o fim do relacionamento dos pais?

Como ficam os filhos com o fim do relacionamento dos pais?

Fallback Image

O fim do relacionamento é sempre uma história complicada, principalmente quando há filhos no meio. Seria ótimo se o término da relação acontecesse sem brigas. Mas, quase sempre, o clima passional predomina. E, nas discussões, os pequenos acabam ouvindo o que não querem: que papai e mamãe não vão mais morar juntos. E eles? Para onde vão? Será que é o motivo de tanta confusão? As cabecinhas ficam confusas. É muito importante conversar com as crianças para que não se sintam inseguras e deixar claro que a separação é um projeto dos pais e que ele não tem nada haver com a história.

A explicação para os filhos precisa ser simples e clara, e a todo o momento, os pais devem demonstrar seu amor pelos filhos, dizer que eles não têm qualquer responsabilidade sobre a separação e contar como será a rotina dali para frente.

As perguntas das crianças não podem ficar sem resposta. É importante não transformar a conversa num momento de desabafo, falando mal do outro cônjuge ou entrando em detalhes desnecessários.

Poucas crianças demonstram sentirem-se aliviadas com a decisão do divórcio.

De acordo com o desenvolvimento e a idade dos filhos a repercussão do assunto pode ser vista de pontos diferentes. As crianças mais novas, pré-escolares, de 3 a 5 anos, podem apresentar uma regressão depois que um dos pais deixa o lar, podendo voltar a urinar na cama, a serem mais solicitantes, demonstrando ter vários medos e a ter alterações no sono. Podem se tornar irritáveis e exigentes.

Crianças de 5 a 8 anos geralmente demonstram uma tristeza aberta pelo divórcio, freqüentemente se refletindo no declínio do rendimento escolar.

Na idade de 8 a 12 anos em geral a criança reage com raiva franca de um ou de ambos os pais, por terem causado a separação. Por vezes demonstram ansiedade, solidão e sentimentos de humilhação por sua própria impotência diante do ocorrido. O desempenho escolar e o relacionamento com colegas podem ter prejuízo nesta fase.

As conseqüências do divórcio nas crianças a médio e a longo prazo é muito variável. Já os adolescentes sofrem com o divórcio muitas vezes com depressão, raiva intensa ou com comportamentos rebeldes e desorganizados.

Portanto tente deixar bem claro aos filhos que independentemente dos pais estarem juntos ou não, vão continuar amando-os da mesma forma.

Similar Articles

Acima
%d blogueiros gostam disto: