Você está aqui
Home > Nutrição > Culinária que pode manter o bem-estar físico e mental

Culinária que pode manter o bem-estar físico e mental

Fallback Image

“Jamais declare-se vegetariano num hotel, restaurante, companhia aérea ou na casa da sua tia-avó. É que todos eles têm a mesma vivacidade e vão responder: ‘gostaria de lhe preparar uma comida decente, mas já que você não come nada vou lhe servir uma saladinha de grama'”. A oração, retirada do livro “Alimentação Vegetariana: Chega de Abobrinha” – obra do Mestre DeRose, estudioso brasileiro especializado em filosofia oriental e defensor das refeições que agradam os cinco sentidos -, resume bem o drama enfrentado por pessoas que resolveram excluir carnes da dieta. Em busca de uma alternativa mais saborosa e nutritiva para os vegetarianos e naturalistas de plantão, o Gastronomia & Negócios sai às ruas de São Paulo e se infiltra na gastronomia do educador DeRose. Na experiência foi descoberto um estrogonofe que pode até rejuvenescer a alma, além, é claro, de manter o bem-estar físico.

Aos 66 anos, Luís Sérgio Álvarez DeRose se dedica a escrever livros sobre temas variados, como contos, filosofia, história e, inclusive, gastronomia. No Brasil e em outros países, os ensinamentos de DeRose viraram método e nas unidades onde ele é adotado, os seguidores buscam uma reeducação comportamental com ênfase em boa qualidade de vida, boas maneiras, boas relações humanas, boa cultura e boa forma. “Para mantermos este equilíbrio, é fundamental termos ainda uma boa alimentação”, destaca Anderson Gouveia, diretor da unidade Perdizes, na capital paulista.

Vegetariano, assim como a maioria dos praticantes de seu método, DeRose sempre busca inovar o cardápio com receitas mais nutritivas e saborosas. Na última semana, a convite de Anderson Gouveia, o Gastronomia & Negócios foi então a uma das cozinhas do Método DeRose para comprovar se os pratos vegetarianos são mesmo mais gostosos que os feitos pelos principais restaurantes da cidade.

Logo na entrada da unidade Perdizes, antes mesmo de chegar à cozinha, o cheiro de curry dominava o ambiente. Até então, imaginávamos que a tal dieta dos praticantes do método fosse uma comida comum e insossa, à base de vegetais e carne de soja. Porém, ao entrar no ambiente, onde a refeição estava sendo preparada, este “preconceito” findou. O prato, preparado por uma das instrutoras do Método DeRose, Cristina Marcovic, caiu como uma luva nos estômagos de nossa equipe. “Esta é uma das receitas de DeRose. Aqui somos vegetarianos e zelamos por uma alimentação que cause bem-estar, equilíbrio e que agrade os cinco sentidos”, resume Cristina.

Geralmente, os pratos que excluem carnes abusam das verduras e pecam pela escassez de temperos. Talvez por este motivo, muita gente acaba torcendo o nariz para esta dieta. Mas, os praticantes de DeRose aprenderam com seu Mestre refeições realmente deliciosas. Na visita à unidade de Perdizes, Cristina preparou um estrogonofe de três queijos, que leva cebola, curry, molho de tomate e creme de leite. “Para se ter uma alimentação equilibrada e gostosa, abusamos das especiarias e, ao contrário de muitos vegetarianos, não utilizamos a soja nos pratos. Ela é muito indigesta e pode nos prejudicar na prática de nossas atividades corporais e até no dia a dia”, descreve Cristina.

Outra característica da gastronomia DeRose é a não mistura de ingredientes fundamentais, como sal e açúcar ou alho e cebola. “Em uma receita nunca colocamos alho quando a mesma já leva cebola. Este tipo de agrupamento pode anular os benefícios dos produtos. O ideal é optar por um ou pelo outro”, sublima a instrutora. Dicas à parte, o “strogonoff” DeRose é “fantástico”, não pesa no estômago, nutre e “ao adotar este tipo de prato na dieta, você perceberá uma melhora no físico e no mental”, relata Álvaro Baggio, praticante do método e vegetariano há mais de um ano.

Em seu livro, “Alimentação Vegetariana: Chega de Abobrinha”, DeRose resume bem sua gastronomia, ou melhor, a dieta vegetariana ideal para manter o bem-estar. Abaixo extraímos os oito mandamentos fundamentais do Mestre, que dizem respeito às refeições sem carne, é claro:

1. Vegetariano é aquele que não come carnes. Nem vermelhas, nem brancas, nem azuis, nem furta-cor. Carne alguma. E é só isso.

2. Vegetariano não come salada. Só de vez em quando. O vegetariano é um gourmet sofisticado e exigente que não faz questão apenas de saúde e higiene alimentar, mas também de prazer, como qualquer outro ser humano. Se não quer cometer uma indelicadeza, não lhe ofereça “uma saladinha”. Ele vai morrer de pena de você e talvez chegue até a aceitar, só por educação.

3. Vegetariano não come soja. Só adota compulsivamente a soja o falso vegetariano, aquele vegetariano de boutique, quero dizer, de restaurante.

4. Vegetariano não come só produtos integrais.

5. “Para o doutor aqui sirva o chá sem açúcar que ele é vegetariano”. Por que sem açúcar? Por acaso açúcar é carne?Vegetariano não come é carne. Açúcar é vegetal. Não temos nada contra o açúcar.

6. “Vegetariano não toma refrigerante”. Não estamos discutindo aqui se refrigerante é saudável ou não. Estamos denunciando o absurdo da colocação: “Quem se propõe a não comer carne não pode tomar refrigerante.” Se você concorda com essa lógica transversal, cuidado para não ser reprovado em testes psicotécnicos!

7. Tofu, missô e shoyu. Isso não faz parte da culinária vegetariana e sim da macrobiótica. São elementos procedentes da cozinha japonesa, logo só devem ser usados em pratos japoneses. Ou macrobióticos, já que essa corrente criada por Oshawa é declaradamente nipocêntrica. Colocar algas, shoyu, missô, tofu e outros produtos macrôs em receitas que tenham a intenção de ser apenas vegetarianas, é uma gafe comparável à que cometem os estrangeiros que vêm ao Brasil falando espanhol!

8. A suposta falta de proteínas! E, seja lá quem for ou que títulos exiba, se alguém se atrever a declarar que a alimentação vegetariana não fornece todos os aminoácidos essenciais, conteste com a indignação dos justos. Diga: “Estou convencido de que você não sabe o que é o vegetarianismo…”. Afinal, um sistema alimentar que reúna todos os legumes, frutas, verduras, cereais e raízes, mais leite, queijo, coalhada e ovos, não pode ser considerado carente.

Similar Articles

  • Pingback: Melhor Amiga()

  • Pingback: Ricardo ϟ Oliveira()

  • Pingback: Bem Estar Web()

  • Pingback: Espaço Luchetti()

  • Pingback: Niege Rodrigues()

  • Bon dia gostaria de ter informaçeõ mas a profudada sobre a culinaria eu chamanme de Benvino Octavio da Silva

    • Olá, boa tarde.
      Sobre este assunto em especifico, por enquanto não temos maiores informações, mas continue nos acompanhando, dentro em breve, poderemos ter mais assuntos a respeito.
      Obrigada pelo contato.
      Equipe Melhor Amiga

Acima
%d blogueiros gostam disto: