Você está aqui
Home > Gravidez e Bebê > Uso de analgésicos pela gestante pode interferir na fertilidade dos filhos homens

Uso de analgésicos pela gestante pode interferir na fertilidade dos filhos homens

Fallback Image

Os pesquisadores descobriram que as mulheres sub-relatam o uso de analgésicos, porque elas não consideram analgésicos leves , “medicamentos”

Novas evidências científicas sugerem que o uso de analgésicos leves – tais como a aspirina, o paracetamol e o ibuprofeno – pode ser a causa para o aumento de distúrbios reprodutivos do sexo masculino, nas últimas décadas.

Uma pesquisa – Intrauterine exposure to mild analgesics is a risk factor for development of male reproductive disorders in human and rat, by David M. Kristensen – publicada na revista Human Reproduction revela que mulheres que tomaram uma combinação de mais de um analgésico durante a gravidez, ou que tomaram o medicamento, durante o segundo trimestre de gestação, tiveram um risco maior de dar à luz a filhos com testículos que não desceram, doença que conhecemos como criptorquidismo, uma condição que é conhecida por ser um fator de risco para a baixa qualidade seminal e para o câncer de células germinativas testiculares na vida adulta.

Para realizar o estudo, pesquisadores da Dinamarca, Finlândia e França acompanharam dois grupos de mulheres na Dinamarca e na Finlândia. Ao nascer, os meninos foram examinados em busca de todos os sinais de criptorquidia, que vão desde uma forma leve da doença, na qual o testículo está localizado no alto do escroto, a uma forma mais grave, em que o testículo é tão alto no abdômen, que não é palpável. A prevalência de criptorquidia foi menor na Finlândia (2,4%) em comparação com a Dinamarca (9,3%).

A pesquisa revelou que mulheres que utilizaram mais de um analgésico simultaneamente (por exemplo, paracetamol e ibuprofeno) tiveram um risco sete vezes maior de dar à luz a meninos com algum tipo de criptorquidismo, em comparação com mulheres que não tomaram nenhum medicamento durante a gestação. “Isto se dá porque os analgésicos interrompem a produção dos andrógenos, levando a um abastecimento insuficiente do hormônio masculino, testosterona, durante um período crucial da gestação, quando os órgãos masculinos estão se formando”, explica o Prof° Dr° Joji Ueno, ginecologista, diretor da Clínica GERA.

O segundo trimestre é momento mais sensível da gestação. Qualquer uso de analgésicos, neste momento da gravidez, mais do que dobrou o risco de criptorquidia. Do uso individual de analgésicos, o ibuprofeno e a aspirina aumentaram, aproximadamente em quatro vezes, o risco de criptorquidia. O paracetamol apresentou uma duplicação do risco. E o uso simultâneo de mais de um analgésico, durante o segundo trimestre da gestação, aumentou o risco em 16 vezes.

Segundo Henrik Leffers, cientista do Rigshospitalet, em Copenhague (Dinamarca), que liderou a pesquisa, “se a exposição aos desreguladores endócrinos é o mecanismo por trás dos problemas crescentes de saúde reprodutiva entre os homens, no mundo ocidental, esta pesquisa sugere que uma atenção especial deve ser dada ao uso de analgésicos durante a gravidez, pois este pode ser um dos principais motivos para os problemas que enfrentamos, hoje”, destaca.

Os autores da pesquisa destacam também um aumento significativo na incidência de criptorquidia congênita nas últimas décadas, notadamente na Dinamarca, onde os casos aumentaram de 1,8% em 1959-1961, para 8,5% em 1997-2001.

“Embora seja necessária cautela sobre um eventual excesso ou exagero no uso de analgésicos leves, eles são a maior fonte de exposição das gestantes a desreguladores endócrinos. A utilização destes compostos pode afetar, em larga escala, a população mundial”, diz Joji Ueno.

Os pesquisadores reforçam a necessidade de mais estudos epidemiológicos sobre o tema. “Enquanto isto, os ginecologistas podem reconsiderar a prescrição de analgésicos a mulheres grávidas. As próprias pacientes podem tentar reduzir o uso destes medicamentos durante a gravidez, em vista das conseqüências. Mas como cada caso é único, apenas o médico que acompanha o pré-natal da paciente pode aconselhá-la sobre a melhor medida a ser adotada”, destaca o diretor da Clínica GERA.

Similar Articles

Acima
%d blogueiros gostam disto: