Você está aqui
Home > Turismo > Aldeias históricas de Portugal

Aldeias históricas de Portugal

Fallback Image

Feitas de granito e xisto, as charmosas aldeias históricas de Portugal guardam épocas de conquistas e tradições antigas. Em cada pedra, é possível encontrar o que Portugal tem de mais genuíno: a autenticidade do seu povo e o orgulho de uma história com 900 anos.

No Centro de Portugal, em meio às paisagens, procure as torres dos castelos medievais de onde se vigiavam as terras ao redor. Estrategicamente alinhadas ao longo da fronteira, davam uma sensação de segurança aos reis e senhores da terra. São muitas as opções de castelos e fortificações em território português, veja abaixo algumas sugestões:

Belmonte

Que tal começar pela aldeia que mais tem relação com o Brasil? Foi em Belmonte que nasceu o navegador Pedro Álvares Cabral, em 1467. As ruas deste antigo povoado conduzem para o alto de um monte, onde se ergue o antigo castelo com altas torres, muralhas e baluartes. Esta austera arquitetura é quebrada por uma elegante janela manuelina, na qual está representada a esfera armilar, símbolo do mundo associado a D. Manuel I, e também o escudo dos Cabrais, com a representação de duas cabras.

Junto do castelo fica uma pequena igreja romano-gótica dedicada a São Tiago, que tem no interior uma Pietá esculpida em granito, comovente na sua beleza rude e simples. Um anexo à igreja abriga o panteão dos Cabrais, embora as cinzas de Pedro Álvares Cabral estejam na Igreja da Graça, em Santarém.

Em Belmonte fixou-se uma importante comunidade judaica, sobretudo no século XV, quando os judeus encontraram ali um refúgio para as perseguições. Moravam em casas situadas fora das muralhas do castelo, no bairro de Marrocos, onde ainda podem ser vistos os símbolos das profissões exercidas pelos membros da comunidade – como a tesoura que identifica o alfaiate – gravados nos batentes das portas.

Piodão

Esta aldeia lembra um presépio, pela forma harmoniosa como as suas casas se integram à paisagem. Toda construída em xisto, a vila forma uma linda mancha uniforme interrompida pelo azul forte das janelas e das portas de algumas das casas. Conta-se que a cor em destaque é resultado do isolamento do local que evitava o deslocamento de seus moradores, já que havia somente uma única loja que vendia tinta, e, azul era sua única cor disponível.

Foi também o isolamento que preservou intactas as características desta antiquíssima vila. Do conjunto das pequenas casas de dois pisos, destaca-se a encantadora igreja matriz dedicada à Nossa Senhora da Conceição.

Sortelha

Coroada por um castelo assentado num formidável conjunto rochoso, Sortelha mantém a atmosfera medieval de outros tempos na arquitetura das suas casas rurais em granito, que acompanham a topografia do terreno.

A vila fazia parte da importante linha defensiva de castelos fronteiriços, edificados ou reconstruídos na sua maior parte sobre fortificações das antigas civilizações ibéricas. O seu nome deriva da configuração do terreno em rochedos escarpados que envolvem a aldeia em forma de um anel (sortija, em espanhol).

A entrada faz-se por uma porta gótica sobre a qual se vê a Varanda de Pilatos, com aberturas por onde os habitantes lançavam na Idade Média todo tipo de projéteis contra os atacantes, incluindo azeite fervente.

Monsanto

Do alto de diversos rochedos, onde a geografia e o clima marcam a divisão entre o Norte e o Sul, a “aldeia mais portuguesa de Portugal” mantém intactas as raízes profundas da cultura lusitana. Diz a história que o povoado teria resistido, durante sete anos, ao cerco dos romanos no século II a.C., feito que originou a Festa das Cruzes, que a aldeia comemora todos os anos, no dia 3 de maio.

A arquitetura da localidade é um dos grandes destaques desta aldeia histórica. As casas são formadas por pedregulhos da própria encosta onde estão localizadas e, em alguns casos, um único bloco de pedra forma o telhado, razão pela qual em Monsanto se diz que as casas são “de uma telha só”.

A difícil subida até ao castelo é compensada por um dos mais deslumbrantes mirantes da região. Neste baluarte de guerra eram sepultados em rochas escavadas os valorosos cavaleiros dos tempos da Reconquista Cristã.

Almeida

Vista do ar, esta vila fortificada parece uma estrela de 12 pontas. Almeida é hoje uma vila tranquila, na fronteira entre Portugal e Espanha, e rodeada por uma paisagem bucólica cheia de encanto.

Esta pacífica aldeia histórica, no entanto, já foi palco de guerras e suportou prolongados cercos. Com as suas muralhas e baluartes é uma das mais interessantes fortalezas do mundo, onde é visível a técnica do “hexágono” do engenheiro militar de Luís XIV, da França, Vauban.

Cada ângulo do polígono forma um baluarte de aspecto de lança e entre eles erguem-se outros menores, os revelins. De acordo com a tática de guerra dos séculos XVII e XVIII, esta configuração em estrela permitia fazer o cruzamento do tiro.

Em alguns pontos o viajante conseguirá avistar uma boa parte dessa estrela irregular de 12 pontas. Mesmo que não seja um especialista em técnicas militares, não perca o original passeio pelos 2.500 metros dos parapeitos dos baluartes, seguindo os mesmos passos dos soldados que noutros tempos os percorriam no seu serviço de ronda.

 

Similar Articles

Acima
%d blogueiros gostam disto: