Você está aqui
Home > Saúde > Hepatite: inflamação crônica atinge até 240 milhões de pessoas

Hepatite: inflamação crônica atinge até 240 milhões de pessoas

Fallback Image

hepatite

Dados da Organização Mundial de Saúde mostram ainda que mais de 600 mil pessoas morrem anualmente por consequência de Hepatite B; hepatites virais podem causar inflamação crônica no órgão, cirrose ou mesmo câncer

Outubro de 2013 – Segundo a Organização Mundial de Saúde, mais de 240 milhões de pessoas no mundo são acometidas por hepatite crônica, que é a inflamação crônica no fígado. Ainda segundo a OMS, mais de 600 mil pessoas morrem todos os anos em consequência da Hepatite B. Segundo o Ministério da Saúde, foram notificados no Brasil, entre 1999 e 2011, 138.305 casos de hepatite B. Como só apresenta sintomas em estágio avançado, o número de notificações é uma fração do total de pessoas infectadas.

A vacina que protege contra a hepatite B passou a ser oferecida pelo SUS, desde 2013, a todas as pessoas com menos de 50 anos de idade.

“A Hepatite B pode trazer consequências graves às pessoas e a vacina é segura e eficaz. Por isso, a extensão da vacinação de Hepatite B para os adultos de até 49 anos, feita recentemente pelo Governo, é muito bem-vinda”, explica a Dra Sumire Sakabe, infectologista do Hospital 9 de Julho, ao afirmar que o esquema de vacinação para Hepatite B consiste em três doses.

Não é qualquer exame de sangue que identifica o vírus. “Muitas pessoas vão ao consultório afirmando que fizeram outros exames, como o hemograma completo, e achavam que não tinham outras doenças, mas as hepatites, assim como outras doenças infecciosas, exigem um exame específico para serem diagnosticadas”, alerta.

A especialista lembra que ter sido vacinado não é desculpa para manter relações sexuais desprotegidas ou compartilhar objetos de uso pessoal como cortadores de cutícula e lâminas de barbear. “Há outros tipos de hepatite, como a causada pelo vírus C, para o qual não há vacina, além de uma série de outras doenças que podem ser transmitidas dessa maneira”, reforça a Dra Sumire.

Quando o vírus não é neutralizado pelas próprias defesas do corpo, há um processo inflamatório no fígado que pode se cronificar. Os tratamentos para as hepatites B e C são disponíveis, mas além de longos e não isentos de efeitos colaterais, não asseguram 100% de cura. A médica lembra que a prevenção é, sem dúvida, a melhor opção já que esta doença é grave, silenciosa até estágios avançados, e pode levar a morte.

Similar Articles

Acima
%d blogueiros gostam disto: