Você está aqui
Home > Qualidade de Vida > Medo persistente e irracional pode ser fobia

Medo persistente e irracional pode ser fobia

Fallback Image

fobia

Fobias são difíceis de lidar, merecem atenção e têm tratamento

Por Ana Cristina Fraia

Um medo que não vai embora. Que paralisa o indivíduo e muitas vezes o impede de realizar suas atividades. Pois bem, esses podem ser sintomas típicos de uma fobia. As fobias são medos irracionais profundos e perturbadores que podem resultar no evitar consciente de um objeto, situação ou atividade temida.

Ana Cristina Fraia, psicóloga e coordenadora terapêutica da Clínica Maia Prime explica que a pessoa percebe que o medo é infundado e isso o torna ainda mais perturbador. “Quando o medo se torna intenso e prejudicial à saúde do indivíduo ou o impede de fazer suas atividades, é considerado fobia. O medo da fobia é irracional e persistente, algo que a pessoa não consegue evitar e controlar. São situações que trazem muito sofrimento, mas que podem ser tratadas.”

De acordo com a psicóloga, a fobia tem diversos tipos: a fobia social, onde há o medo extremo de um objetivo ou situação que não é ameaçador; a claustrofobia, que é caracterizada pelo medo de espaços fechados; a acrofobia, onde o medo de lugares altos permanece e a agorafobia, que é o medo de lugares e situações das quais a fuga pode se tornar difícil, como por exemplo, no meio de uma multidão.

Ana Cristina ressalta que as fobias podem causar grande impacto na vida do indivíduo, na sua capacidade funcional, no trabalho e na vida familiar. “O medo intenso pode prejudicar a rotina do indivíduo e lhe privar de compromissos sociais, de passeios, de visitar lugares que, se não fosse por medo, a pessoa certamente faria com prazer. É necessário atenção e havendo a desconfiança que algo não vai bem, que o medo não é lógico é importante procurar ajuda de um profissional.”

O tratamento de fobias é realizado basicamente por meio de terapias, onde o paciente poderá entender melhor seu medo, aprendendo lidar com ele no intuito de não deixá-lo prejudicar sua vida pessoal e profissional. “O mais indicado é a terapia cognitivo-comportamental. Neste tratamento o foco é o presente e o futuro e o objetivo é mudar o comportamento fóbico do paciente”, completa a psicóloga.

Ana Cristina Fraia – psicóloga e coordenadora terapêutica da Clínica Maia Prime

Similar Articles

Acima
%d blogueiros gostam disto: